Apreciações Musicais - ESC2015: Suíça




MÉLANIE RENÉ - "TIME TO SHINE"



André Sousa: Gosto do risco que a Suíça corre este ano. O instrumental é diferente, principalmente na primeira parte da música. Veremos se resulta na Eurovisão.

Andreia Fonseca: Instrumental poderoso, tema com raça. Um início misterioso, que cresce para o clímax do refrão. Aqui temos uma música bem conseguida, do princípio ao fim. 

Catarina Gouveia: Tenho mixed feelings com esta música. Ás vezes sinto que é festivaleira e que tem bastante força, noutras vezes sinto que afinal não é assim tão boa e que pode passar despercebida. Gosto, mas não consigo adorar. Há partes em que o instrumental tem demasiados elementos, resultando no quê? Numa salganhada, claro.

Cláudia Peres de Matos: Que bom instrumental. Voltam as batidas fortes, um solo de guitarra e um conjunto que cativa o ouvinte. 

Diogo Canudo: Uma mescla de instrumentais, que pouco ou nada me chamam a atenção. Fico, aliás, extremamente confuso porque tentaram incluir 10 músicas numa só.

Elizabete Cruz: Uma surpresa agradável, que tal como outras propostas, também roça um pouco o sombrio. Mas tem uma conotação atual e, mesmo não sendo complexo, é um instrumental que me agrada.

Jessica Mendes: É um instrumental bastante simples sem nada que me faça lembrar dele depois de cinco minutos. Parece-me que o final do refrão não combina muito bem com a música.

Joana Martins: Para mim chega a ser confuso. 

Rita Pereira: Muito diferente dos restantes e que, com o aspeto cénico alterado, se poderá destacar das restantes.


André Sousa: Quanto à voz, a interpretação requer algo mais pujante. Penso que a intérprete é bastante abafada, principalmente no refrão pelo coro. 

Andreia Fonseca: É a vez de a intérprete brilhar… e ela brilha. Não é uma cantora excecional, mas dá o que o tema pede. Gostava de ouvir um coro mais bem trabalhado, e não tão “perdido” em algumas partes da música. Sou a única a achar que, no final, a voz da intérprete parece a da Celine Dion?!

Catarina Gouveia: É boazinha, pena ser abafada pelo instrumental confuso.

Cláudia Peres de Matos: Mélanie não tem uma voz lá muito cativante. No entanto, com o tempo já apresentou algumas melhorias, nomeadamente na sua pronúncia do inglês. 

Diogo Canudo: Completamente abafada pelo instrumental. Acho que vai ter de se soltar mais vocalmente, porque se não é uma pena. Mélanie até tem uma boa voz.

Elizabete Cruz: Dá a sensação que por vezes Mélanie perde a respiração e engole um bocado as palavras. Mas isso é algo que se corrige, por vezes não tenho grandes defeitos a apontar.

Jessica Mendes: É também uma voz simples e até banal. Não tem nada de extraordinário mas a canção também pouco exige. A sobreposição de voz da cantora aos coristas no último refrão é das coisas mas vistas.

Joana Martins: Gosto da voz dela ao vivo. 

Rita Pereira: Precisa de melhorar bastante especialmente na dicção.


André Sousa: Toda a canção não possibilita uma grande expressão mas acho que poderia ser apostada uma presença mais forte e um olhar mais expressivo. 

Andreia Fonseca: Este ponto precisa de ser trabalhado… Tem de existir mais ação em palco, o jogo de luzes e o cenário de fundo não são suficientes.

Catarina Gouveia: A atuação apresentada ao vivo foi uma autêntica seca. A cantora até chega a parecer ter pouco carisma, mas é esse tipo de coisas que são melhoradas desde a escolha até à Eurovisão.

Cláudia Peres de Matos: Fica bem o palco obscuro. Tiraria o mini palco da intérprete para não prender tanto os seus movimentos. 

Diogo Canudo: Precisa de grandes mas grandes melhorias. Mélanie precisa de estar mais segura e mais cativante, e é preciso muito fumo e mistério em palco.

Elizabete Cruz: Claro que outras coisas poderão ser feitas, mas não desgosto do que foi feito na final nacional. Acho que o ambiente criado está muito bem enquadrado com a música.

Jessica Mendes: Ora cá está algo que precisa de ser bem revisto. Aquela “coreografia” é pior que a das coristas do Tony Carreira.

Joana Martins: Devem trabalhar nisso, mas não sei bem o que vai sair daqui. 

Rita Pereira: A música necessita de mais garra e de mais movimento em palco por parte da artista.


André Sousa: Um das poucas letras introspetivas e que nos fazem olhar para dentro. É o ponto forte de toda a interpretação.

Andreia Fonseca: A letra não é original, mas é adequada à sonoridade da música. 

Catarina Gouveia: Só faltava também chamar-se warrior. Pelos vistos estas letras de mulheres guerreiras e cheias de força é a nova moda. Estamos sempre a aprender, não é?

Cláudia Peres de Matos: Uma mensagem forte que também nos acompanha a todos: depois da tempestade vem a bonança: depois de andar na escuridão, também temos que erguer e brilhar. 

Diogo Canudo: Este tipo de letras, nesta edição, já irritam. No entanto, é uma boa mensagem e um bom poema. Peca por falta de profundidade, só.

Elizabete Cruz: A história de alguém que viveu na penumbra e agora reclama que é a voz de brilhar. Não sendo de todo original, destoa das outras letras.

Jessica Mendes: Blá blá blá é o meu momento blá blá blá vou brilhar imenso. Há letras baseadas no mesmo assunto com muito mais conteúdo.  

Joana Martins: Não é má, também não é nada de especial. 

Rita Pereira: Uma letra muito fraca, já muito ouvida mas os outros aspetos colmatam esta falha.


André Sousa: Penso que não seja o suficiente para passar à final.

Andreia Fonseca: Se houver justiça, estará na final e longe dos últimos lugares.

Catarina Gouveia: Poderá passar muito à rasca. 

Cláudia Peres de Matos: Final garantida e boa classificação. 

Diogo Canudo: Não acredite que passe à final. Se passar rouba o lugar à portuguesa, o 10º.

Elizabete Cruz: Quero muito esta música na final!

Jessica Mendes: Se for à final fica nos últimos lugares

Joana Martins: Não sei se chega à final. 

Rita Pereira: Uma canção com muito poucas possibilidades de passar à Final, apesar do esforço do país em enviar algo diferente. 


André Sousa: 3 pontos

Andreia Fonseca: 10 pontos

Catarina Gouveia: 6 pontos

Cláudia Peres de Matos: 8 pontos

Diogo Canudo: 4 pontos

Elizabete Cruz: 6 pontos

Jessica Mendes: 3 pontos

Joana Martins: 6 pontos

Rita Pereira: 6 pontos

Total: 52 pontos


André Sousa: “Não sei se é o teu momento para brilhares – pareces uma estrela em decadência.”

Andreia Fonseca: Suíça, afinal, não é só sinónimo de queijos, relógios e chocolates… É também música!

Catarina Gouveia: “Time to” ir à Eurovisão com o vestido do baile de finalistas.

Cláudia Peres de Matos: O tempo de brilhar já foi com o Sebalter.  Agora é tempo de melhorar os resultados da Suíça. 

Diogo Canudo: Estrelas cadentes eurovisivas everywhere.

Elizabete Cruz: Depois do brilho do ano passado, talvez o brilho da Suíça fique para ficar!

Jessica Mendes: Vamos todos realizar um debate para tentar perceber porque é que, em cada edição do ESC, tem de haver uma música com “shine” no nome.

Joana Martins: Volta, Sebalter… 

Rita Pereira: “Primeiro estranha-se, depois entranha-se!”


 Azerbaijão - 87 pontos;  Israel - 86 pontos;  Suécia - 80 pontos;  Estónia - 79 pontos;  Montenegro - 73 pontos;  Albânia - 73 pontos;  Bielorrússia - 70 pontos;  Noruega - 68 pontos;  Geórgia - 61 pontos; 10º Islândia - 58 pontos; 11º Rússia - 58 pontos; 12º Malta - 56 pontos; 13º Irlanda - 55 pontos; 14º Roménia - 54 pontos; 15º Lituânia - 54 pontos; 16º Suíça - 52 pontos; 17º Portugal - 51 pontos; 18º Letónia - 50 pontos; 19º Grécia - 50 pontos; 20º Macedónia - 48 pontos; 21º Sérvia - 47 pontos; 22º Bélgica - 46 pontos; 23º República Checa - 45 pontos; 24º Holanda - 43 pontos; 25º Dinamarca - 35 pontos; 26º Arménia - 35 pontos; 27º Moldávia - 23 pontos; 28º Hungria - 22 pontos; 29º São Marino - 16 pontos; 30º Finlândia - 5 pontos.


Vídeo: Eurovision.tv
23/04/2015

Sem comentários


Não é permitido:

. Publicar comentários de teor comercial ou enviar spam;

. Publicar ou divulgar conteúdo pornográfico;

. O uso de linguagem ofensiva ou racista, ou a publicação de conteúdo calunioso, abusivo, fraudulento ou que invada a privacidade de outrem;

. Desrespeitar o trabalho realizado pelos colaboradores do presente blogue ou os comentários de outros utilizadores do mesmo - por tal subentende-se, criticar destrutivamente ou satirizar as publicações;

. Divulgar informações sobre atividades ilegais ou que incitem o crime.

Reserva-se o direito de não serem publicados comentários que desrespeitem estas regras.

Com tecnologia do Blogger.