Apreciações Musicais - ESC 2016: Albânia


ENEDA TARIFA - "FAIRYTALE"



André Sousa: Confesso que foi a minha maior desilusão este ano. Com um instrumental tão bom, foram mudar e estragaram um tema que estava, primeiramente, no meu top 5. 

Carolina Pinto: Gosto bastante. Este rock é diferente do que é apresentado. Não é brilhante, mas penso que proporciona um bom momento musical. 

Catarina Gouveia: É uma canção muito “leite morno”. Se é das melhores coisas que a Albânia já levou à Eurovisão? Talvez não, mas não é por isso que deixa de ser um bom tema. Contudo, tem uma melodia muito constante, o que pode ser mau se a interpretação não for impecável. 

Cláudia Peres de Matos: O refrão é distinto das estrofes. Todo o conjunto é estranho. E a atualização ficou bem pior. Tanto tempo a trabalhar na mudança para isto? 

Diogo Canudo: Todo eu choro quando sei que “Perrale” era uma fantástica música, e mandaram uma versão barata. A implementação do inglês tirou o mistério à proposta, e o instrumental no refrão tira a força que o tema necessita. 

Elizabete Cruz: Apesar de ter um instrumental bem construído e que acaba por soar bem, a verdade é que esta música perdeu muito com as mudanças após a final nacional. Acaba por ser bastante desinteressante.

Jessica Mendes: A versão final conseguiu piorar imenso em relação àquela que foi apresentada na final nacional. O refrão não tem a força que tinha e isso faz-nos perder imediatamente o interesse na canção.

Joana Martins: Não desgosto mas podia ser melhor trabalhado.

Maria Silva: Um bom instrumental. Forte e de qualidade.

Pedro Emídio: Os violinos e a bateria trazem uma mistura curiosa entre o clássico e o rock. O que nos primeiros acordes parecia uma simples balada tornou-se num tema bastante efusivo.

Ricardo Mendes: Este ano a Albânia apresenta-nos um instrumental  baseado em sonoridades de rock pop! Nada de especial. Não me impressionou.


André Sousa: Detentora de uma voz fantástica, é uma tremenda falta de gosto terem alterado o tema da língua materna para inglês. A intensidade dada antes, a força da língua materna e até mesmo os coros, que eram pontos fortes, perderam-se para isto.

Carolina Pinto: Adoro. Poderosa, sexy, charmosíssima. 

Catarina Gouveia: Nada a apontar. Para mim, a intérprete é o melhor desta proposta da Albânia. 

Cláudia Peres de Matos: Eneda tem uma potência vocal extraordinária. Desde que não se ponha a gritar, vamos ter um grande espetáculo, como já nos habituaram as intérpretes albanesas.  

Diogo Canudo: Eneda Tarifa tem uma voz esplêndida, com imensa expressão e bastante característica. Nada a apontar.

Elizabete Cruz: Em albanês Eneda não desilude na prestação vocal, mas o que é certo é que cantar em inglês já pode fazer muita diferença. Veremos como vai correr.

Jessica Mendes: Eneda Tarifa tem uma das melhores vozes femininas desta edição e esteve irrepreensível na final albanesa, mas não nos podemos esquecer do que aconteceu no ano passado à sua compatriota.

Joana Martins: Provavelmente a melhor parte de toda a canção. 

Maria Silva: A intérprete canta bem, penso que poderá surpreender (que voz!).

Pedro Emídio: Eneda Tarifa é dona de uma voz bastante poderosa e afinada. Certamente que a sua extensão vocal conseguirá chamar à atenção e cativar o público.  

Ricardo Mendes: A voz da intérprete é perfeita para este tipo de canção! Se bem que não goste muito.


André Sousa: Se a interpretação antes tinhas força, agora assim não se o que esperar.

Carolina Pinto: Penso que foi onde falhou um pouco, porque apesar de Eneda representar bem o tema, penso que poderia ter havido mais movimento, algo mais marcante na atuação. 

Catarina Gouveia:  Julgo que a Albânia vai depender de uma grande atuação para garantir a passagem à final. Já que a música não é marcante, a performance tem imperativamente de ser. 

Cláudia Peres de Matos: Era muito bom que no palco eurovisivo fosse possível levar uma grande orquestra como antigamente, e como foi apresentado na final nacional. Eles são outra ênfase à performance

Diogo Canudo: Talvez o ponto mais forte desta proposta é a forma como a Eneda costuma se encontrar no palco eurovisivo. É corajosa, arrojada e dá vida à canção. Estou ansioso por vê-la atuar na Eurovisão!

Elizabete Cruz: Eneda tem uma presença um pouco tímida, mas sabe estar em palco. De qualquer forma, é óbvio que vai ser preciso algo mais no palco eurovisivo. 

Jessica Mendes: Eneda enche o palco com a sua voz, mas isso não é o suficiente para disfarçar uma canção tão pobre.

Joana Martins: Precisa de melhorar para a Eurovisão. Na final nacional não foi má mas precisa de um fator “wow”. 

Maria Silva: Falta algo. Não sei explicar…Precisa de contacto com o público!

Pedro Emídio: Desde a final nacional demonstra um grande à vontade em palco. Acredito que trabalhará para apresentar uma boa performance em Estocolmo. 

Ricardo Mendes: Adequada ao tema apresentado! Não será necessário muitas alterações ao que foi apresentado na Final Nacional.


André Sousa: É mesmo o único ponto que ainda encontro positivo no meio disto tudo.

Carolina Pinto: Gosto muito, apesar de não acreditar em fadas. 

Catarina Gouveia: É um poema fraquinho que perdeu muito com a tradução para inglês… 

Cláudia Peres de Matos: O refrão é fraco. Com a versão em inglês compreendemos melhor o que transmite. Mas em Albanês parecia bem mais profunda e intensa.  

Diogo Canudo: Os versos estão muito bem escritos, mas o refrão está carregado de clichés. E isso nota-se (o que é mau). A letra também piorou bastante o tema!

Elizabete Cruz: Nunca vou entender porque é que estes países mudam letras que soam tão bem na língua materna e colocam em inglês. Para mim a letra perdeu qualquer valor só com esta tradução. 

Jessica Mendes: “é por isso que te amo, sim amo-te” os níveis de originalidade pela Albânia estão lá no alto!

Joana Martins: Posso não entender nada de albanês mas algo me diz que ficaria melhor do que isto. 

Maria Silva: Muito sentimental, lamechas.

Pedro Emídio: Na final nacional o tema não foi apresentado em inglês, o que para mim era um ponto a favor. A mudança tornou-o mais banal.

Ricardo Mendes: Uma letra com poema nada surpreendente, e se traduzido para português, deixa muito a desejar! 


André Sousa: Tenho pena, mas a Albânia desta vez não conquista a final.

Carolina Pinto: Passará à final e ficará certamente no top 15. 

Catarina Gouveia: Prognóstico para a Albânia, só depois de ver a atuação. Mesmo sendo uma semifinal mais fraca, a final não é algo previamente garantido.

Cláudia Peres de Matos: Apontava um resultado semelhante ao do ano passado. Mas agora não sei! 

Diogo Canudo: Deve ficar pela semifinal.

Elizabete Cruz: Deve passar para a final graças à semifinal fraca.

Jessica Mendes: Fica na semifinal obviamente.

Joana Martins: Precisa de uma atuação fantástica em Estocolmo para ter hipóteses de passar à final. 

Maria Silva: Penso que alcançará um bom resultado, a canção é muito forte.

Pedro Emídio: Tem condições para aspirar a um lugar no Top 10, mas deve investir num bom jogo de luzes para adormar o palco. 

Ricardo Mendes: Duvido que passe à final, no entanto, a Albânia, durante os últimos anos tem-nos surpreendido muito.


André Sousa: 2 pontos (Com muita pena minha).

Carolina Pinto: 8 pontos

Catarina Gouveia: 6 pontos

Cláudia Peres de Matos: 4 pontos

Diogo Canudo: 4 pontos

Elizabete Cruz: 4 pontos

Jessica Mendes: 1 ponto

Joana Martins: 3 pontos 

Maria Silva: 10 pontos

Pedro Emídio: 5 pontos 

Ricardo Mendes: 3 pontos

Total: 50 pontos


André Sousa: Porquê que quando algo esta bem, teimam em mexer?

Carolina Pinto: Rock poderoso!

Catarina Gouveia: Já tiveste dias melhores, Albânia…

Cláudia Peres de Matos: Fairytale? Prefiro o do Alexander Rybak. 

Diogo Canudo: A maior desilusão desta Eurovisão.

Elizabete Cruz: Albânia e a mania de estragar internacionalizar as músicas.

Jessica Mendes: Tanto tempo para alterar a música e é isto…

Joana Martins: Ora expliquem-me lá porque é que mudaram da versão albanesa para isto?

Maria Silva: A canção é de facto um “Fairytale”.

Pedro Emídio:  A Albânia nunca conseguiu vencer o festival e não acredito que seja este ano que a sua sorte mude. 

Ricardo Mendes: Albânia, mudas sempre a tua música ano após ano! Desta vez para pior! 





 Rússia - 113 pontos; 2º Chipre - 101 pontos; 3º Hungria - 99 pontos;  Austrália - 88 pontos;  Sérvia - 85 pontos;  Bósnia & Herzegovina - 84 pontos;  Islândia - 83 pontos; 8º República Checa - 83 pontos;  Azerbaijão - 80 pontos; 10º Letónia - 79 pontos; 11º Arménia - 78 pontos; 12º Malta - 77 pontos; 13º Estónia - 75 pontos; 14º Holanda - 71 pontos; 15º Macedónia - 71 pontos; 16º Croácia - 70 pontos; 17º Lituânia - 70 pontos; 18º Israel - 70 pontos; 19º Irlanda - 62 pontos; 20º Polónia - 58 pontos; 21º Albânia - 50 pontos; 22º Suíça - 49 pontos; 23º Bielorrússia - 41 pontos; 24º Moldávia - 41 pontos; 25º Áustria - 40 pontos; 26º Finlândia  - 39 pontos; 27º Grécia - 39 pontos; 28º Montenegro - 30 pontos29º São Marino - 5 pontos.

Vídeo: Eurovision.tv
14/04/2016

Sem comentários


Não é permitido:

. Publicar comentários de teor comercial ou enviar spam;

. Publicar ou divulgar conteúdo pornográfico;

. O uso de linguagem ofensiva ou racista, ou a publicação de conteúdo calunioso, abusivo, fraudulento ou que invada a privacidade de outrem;

. Desrespeitar o trabalho realizado pelos colaboradores do presente blogue ou os comentários de outros utilizadores do mesmo - por tal subentende-se, criticar destrutivamente ou satirizar as publicações;

. Divulgar informações sobre atividades ilegais ou que incitem o crime.

Reserva-se o direito de não serem publicados comentários que desrespeitem estas regras.

Com tecnologia do Blogger.