[Entrevista a Pedro Gonçalves] 'Cresci a ver todos os Festivais da Canção'


Pedro Gonçalves tem apenas 19 anos mas já muito trabalho realizado. Conquistou o 2º lugar no The Voice Portugal em 2015 e mostra o seu trabalho através do Youtube, mas as suas ambições vão além disso. O Festival da Canção é o novo desafio e representar Portugal um sonho!

1.      Crónicas de eurofestivais (CE): Fala-nos um pouco sobre ti. Quem é o Pedro Gonçalves?

Pedro Gonçalves (PG): O Pedro Gonçalves sou eu, no meu estado mais puro. A abreviação “Pedro Gonçalves” do meu nome completo, “Pedro Martins Gonçalves”, é a minha maneira de dar a conhecer ao resto do mundo quem eu sou. Nasci em Portugal, na cidade do Porto, a 3 de maio de 1997. Desde muito jovem que os meus pais me diziam que eu tinha um gosto especial pela música. Passava a vida a cantar todas as canções que ia ouvido e considerava-me até um rapaz bem evoluído para a idade. Enquanto na minha Escola Primária as meninas e os meninos escutavam as “músicas da moda” eu ia ouvindo Queen, Pink Floyd, Michael Jackson e tantos outros artistas e bandas que o meu pai me dava a conhecer. Mas o meu sonho pela música nunca foi uma ambição minha. Aliás, sempre cresci com a ideia de fazer Cinema, de ser Realizador/Ator. No entanto, aos doze anos de idade, comecei a ter aulas de guitarra e algo em mim mudou. Na altura estavam na moda programas de música na televisão e várias séries musicais e eu comecei a sonhar em poder ser assim, igual a eles, poder cantar e expressar tudo o que sinto. Comecei então, em Julho de 2012, o meu canal de YouTube onde publico covers e algumas originais. Hoje, sou um artista independente que sonha com uma carreira no mundo da música. Não tenciono desistir do meu sonho, iniciei em 2015 o curso de “Som e Imagem” na Universidade Católica Portuguesa”. Gostaria mesmo muito de me tornar um Singer/Songwriter de sucesso. Sou eu quem escrevo as minhas próprias músicas e cheguei já a lançar 3 EP’s, todos gravados em casa, nas plataformas digitais. Claro que, com o tempo, o meu estilo musical também foi mudando, mas todas essas músicas não deixam de ser parte de mim e de quem eu era em 2013, 2014 e 2015 quando lancei os EP’s e sonhava chegar mais longe. Tudo gravado com o iPhone do meu irmão, era tudo o que havia mais próximo de um “microfone profissional” na altura. Recentemente escrevi também para outros artistas, nomeadamente a música “Onde Quero Estar” do meu grande amigo e extraordinário cantor Paulo Sousa e a música “Like You” para os DJ’s No Maka. Também em 2015 alcancei o 2º lugar no programa de The Voice Portugal e sem dúvida que foi o conquistar de um sonho.

2.    CE: Ficaste em segundo lugar no The Voice Portugal. O que mudou entretanto, tanto a nível pessoal como profissional?

PG: O The Voice foi um programa que me ajudou a crescer em todos os aspetos. Continuo a ser o mesmo Pedro que se inscreveu no programa e que sonhava chegar o mais longe possível, no entanto, com uma experiência que penso que toda a gente devia ter. Os meses que passei nos Estúdios do The Voice a ensaiar e a trabalhar, tanto para gravações como para galas em direto, fazem-nos ganhar “estômago de aço” quando se trata de nervosismo. Conheci pessoas incríveis também, algumas delas guardo até para a minha vida inteira. A nível profissional, o programa abriu-me muitas portas. Uma delas foi, por exemplo, este convite para o Festival da Canção. É também graças à exposição que tive no The Voice que vou poder lançar as minhas originais este ano.

3.     CE: Como surgiu este convite para o Festival da Canção? Qual foi a primeira reacção ao ouvir a música que vais defender?

PG: Este convite foi uma grande e muito boa surpresa. O João contactou-me em Dezembro dizendo que alguém lhe tinha falado de mim e que tinha visto algumas atuações minhas e gostado bastante. Combinámos então encontrar-nos para poder ouvir a música e ver se não só era do meu agrado, como se a minha voz se iria unir bem com a música. Claro que não sabia o que esperar da música, qual seria o género musical. Quando a ouvi tive uma surpresa muito agradável.

4.      CE: Como tem sido trabalhar com o João Pedro Coimbra?

PG: Receber um convite do João para o Festival da Canção foi muito bom. Trabalhar com o João tem sido fantástico. Já acompanhava o trabalho dele e tenho muito respeito e admiração por tudo o que ele faz. É uma pessoa muito trabalhadora e dedicada, sempre com a palavra certa. Temos tido dias de ensaios e de estúdio muito produtivos.

5.      CE: O que nos podes dizer sobre o tema que vais interpretar? Podes levantar o véu sobre como será a apresentação em palco?

PG: Não quero revelar muito sobre o tema, só quero dizer que vai ser algo novo, “fresco”, mas com o espírito do Festival da Canção. Estou muito feliz.

6.    CE: Costumas acompanhar o Festival da Canção e o Festival Eurovisão da Canção? Quais as músicas que mais te marcaram em ambas as competições?

PG: Sem dúvida! Cresci a ver todos os Festivais da Canção. Quando era pequeno fazia compilações em DVD com todos os vencedores do Festival da Canção para no Natal entregar à minha família. O Festival sempre me fascinou e me atraiu, Participar está a ser mesmo o realizar de um sonho que sempre esteve em mim. As músicas que mais me marcaram no Festival da Canção e que guardo para sempre são, sem dúvida, a “Ele e Ela” da Madalena Iglesias, a “Desfolhada Portuguesa” da Simone de Oliveira, a “Tourada” do Fernando Tordo, a “E Depois do Adeus” do Paulo de Carvalho, “Esta Balada Que Te Dou” do Armando Gama, “Chamar a Música” da Sara Tavares, “Há Dias Assim”, da minha colega e amiga Filipa Azevedo, “Playback” do Carlos Paião e “Conquistador” dos Da Vinci. Lá fora, na Eurovisão, penso que foi a “Not Alone” do Aram MP3.

7.
CE: A tua recente participação no The Voice Portugal confirmou a tua popularidade entre o público. Sendo o público uma parte importante na votação do Festival da Canção, isso é algo que te deixa confiante?
PG: É muito bom poder receber tanto carinho da parte do público, eu nunca sei como posso agradecer todo o apoio que me dão. No entanto, não acho que seja algo que me possa deixar confiante. No Festival da Canção quero conseguir fazer um bom trabalho e deixar a minha marca. Espero poder mostrar ao público que estou feliz com o tema e conseguir transmitir toda a energia lá para a casa. Se as pessoas se identificarem e decidirem votar em nós, mais feliz fico.

8.      CE: O Festival da Canção e, especialmente, o Festival Eurovisão da Canção, são acompanhados por muitos fãs a nível mundial. Quais as tuas expectativas em relação à participação no Festival da Canção e, quem sabe, no Festival Eurovisão da Canção?

PG: Já faz parte de mim nunca criar muitas expectativas. Como disse, quero conseguir fazer um bom trabalho e deixar a minha marca. Não quero já pensar em ganhar o Festival da Canção. Claro que seria muito feliz e é, sem dúvida, um sonho meu. Mas neste momento, o mais importante é participar na Semi-Final. Se passar, participar na Final. E se ganhar o Festival da Canção, poder levar o meu país, com muito orgulho o mais longe possível. Aconteça o que acontecer em qualquer etapa, já me sinto muito feliz e realizado. Com só 19 anos de idade tenho vivido momentos inesquecíveis.

9.     CE: O que sentes quando pensas numa possível ida até Kiev em Maio para representares o teu país?

PG: Foi como já disse, sem dúvida que é um grande sonho mas o meu foco principal não é esse. É subir um degrau de cada vez, não posso querer alcançar já o topo. Claro que é inevitável pensar em Kiev que me deixa logo com borboletas na barriga. Seria uma honra poder representar o meu país com este tema incrível do João.


1   CE: E, caso se proporcione uma vitória no Festival da Canção, o que poderemos esperar no Festival Eurovisão da Canção? O que achas que irá fazer com que a tua música se realce em relação às outras?

PG: Caso vença o Festival da Canção, podem esperar um Pedro determinado e empenhado com muito amor a Portugal. Acredito muito neste tema do João pois tem, sem dúvida, uma produção ao nível de muitas músicas que chegam muito longe na Eurovisão. O João é uma pessoa com uma visão para a música incrível e o que ele fez com este tema é de valor, é algo que pouca gente faz ainda no nosso país e que, sem dúvida, faria Portugal marcar a diferença na Eurovisão.


CE: Este ano a RTP aboliu a obrigatoriedade das músicas cantadas em português, mas ainda assim a maior parte dos compositores optou por usar a língua materna. Consideras que a língua é algo a ser mantido num concurso internacional deste calibre, ou que o inglês é um meio que garante melhores resultados?


PG: Eu sou defensor de artistas portugueses cantarem em Português. No entanto, no caso da Eurovisão, penso que cada vez mais o Português é uma língua que se distancia das outras e que não nos deixa ter resultados tão satisfatórios como gostaríamos. O Inglês é cada vez mais importante para podermos chegar mais longe na Eurovisão e fazermo-nos ouvir lá fora. Penso que a RTP tomou a decisão certa. Mas claro, é só a minha opinião.
P
CE: Portugal não tem tido resultados tão satisfatórios nos últimos anos no certame. O que achas que falhou? O que achas que poderias fazer de diferente?

PG: Penso que, uma das coisas que falhou foi, foi mesmo não tentarmos diversificar e cantar também em Inglês. Como disse em cima, fazermo-nos ouvir na Eurovisão. É mais que compreensível que, lá fora, as pessoas que não percebam a nossa língua, não estejam muito interessadas em votar em algo que não percebem. Mas atenção, tenho todo o respeito e admiração pelos artistas que têm ido representar o nosso país lá fora. Só acho é que está na hora de Portugal se destacar, não só com outra língua mas com outro estilo musical.

CE: Podes deixar uma mensagem para os fãs?

PG: Gosto de pensar que não tenho fãs. Tenho amigos, tenho pessoas que gostam de mim, do meu trabalho e que o acompanham. A todas essas pessoas quero mandar um beijo ou um abraço muito grande. Agradecer por todo o apoio que sempre me deram e que têm dado. Espero mesmo que gostem do tema que vou defender no Festival da Canção e, se assim for, que votem para podermos subir um degrau de cada vez.

 Reveja uma das performances de Pedro Gonçalves no The Voice Portugal:


Imagens: RTP, Youtube/Vídeo: The Voice Portugal

Sem comentários


Não é permitido:

. Publicar comentários de teor comercial ou enviar spam;

. Publicar ou divulgar conteúdo pornográfico;

. O uso de linguagem ofensiva ou racista, ou a publicação de conteúdo calunioso, abusivo, fraudulento ou que invada a privacidade de outrem;

. Desrespeitar o trabalho realizado pelos colaboradores do presente blogue ou os comentários de outros utilizadores do mesmo - por tal subentende-se, criticar destrutivamente ou satirizar as publicações;

. Divulgar informações sobre atividades ilegais ou que incitem o crime.

Reserva-se o direito de não serem publicados comentários que desrespeitem estas regras.

Com tecnologia do Blogger.