Apreciações Musicais - ESC2015: Letónia




AMINATA - "LOVE INJECTED"



André Sousa: Instrumental simplista, bastante inovador e perfeito. Não poderia ser de outra forma. Aqui o que se quer é a voz, o ponto forte da entrada deste ano da Letónia.

Andreia Fonseca: Nem só de um conjunto de arrufos e batidas sincronizadas consegue viver um tema. Falta mais preenchimento, com mais sonoridades. Tudo bem que a intérprete é poderosa, mas não dá para sobreviver só da interpretação vocal.

Catarina Gouveia: Um instrumental bastante diferente do que estamos habituados a ouvir na Eurovisão, o que, para mim, é excelente. É bastante moderno e é um género do qual gosto bastante.

Cláudia Peres de Matos: A Letónia deu um salto na qualidade do seu instrumental. Pessoalmente não sou uma fanática por ele, como muitos eurofãs, mas admito que está muito original e digno. 

Diogo Canudo: Adoro o mistério do instrumental, principalmente da forma como começa. Um dos mais originais e interessantes do ano!

Elizabete Cruz: Mais virado para o electrónico, é um instrumental actual e um pouco virado para o sombrio. Mas não gosto.

Jessica Mendes: Eu gostava de ouvir alguns instrumentos nas músicas que concorrem à Eurovisão porque sou antiquada, mas parece que este ano a Letónia me fez uma desfeita. Não havia nada mais básico?

Joana Martins: Muito mau. Tentativa de algo moderno, que, para mim, é só irritante. 

Rita Pereira: O instrumental mais original da competição – um electrónico R&B verdadeiramente mágico, diferente e entusiasmante.


André Sousa: A voz mais peculiar desta edição. A inovação expressa ao limite do espanto. A conjugação de tudo e o espanto de quem acompanha a Eurovisão e vê agora algo fora do comum.

Andreia Fonseca: Voz forte e poderosa que salva o tema do aborrecimento – no refrão é um pouco estridente, mas dá emoção e vida. Tanto malabarismo vocal acaba por cansar na parte final do tema. 

Catarina Gouveia: Ainda que pareça um pouco esganiçada às vezes, acho que no geral é uma boa voz, que aguenta bem a canção.

Cláudia Peres de Matos: Acho que não é uma canção fácil de ser cantada e por isso dou mérito à intérprete. 

Diogo Canudo: Por vezes parece que Aminata está a desafinar, mas não. No meio de tanto malabarismo vocal, Aminata foi a escolha certa para esta música. O ponto mais positivo desta proposta!

Elizabete Cruz: Que vontade que tenho de mandar a senhora estar calada! Aquela voz irrita-me que é uma coisa impressionante.

Jessica Mendes: Digam o que disserem, é irritante!! É impossível os meus tímpanos ficarem bem depois de ouvir esta música.

Joana Martins: A única coisa decente da música. 

Rita Pereira: Aminata tem uma voz potente e afinada, que se funda perfeitamente no instrumental.


André Sousa: Uma presença de arrepiar, a própria figura da intérprete dispensa outros adereços, outros figurantes e outras coreografias.

Andreia Fonseca: Um tema como este pede mais do que uma banda a servir de fundo à sua intérprete. Precisa de dança (quiçá contemporânea), fumo, luzes… Precisa de mais vida.

Catarina Gouveia: Não me importo que ela mantenha a atuação, desde que sejam inseridos mais elementos como o “nevoeiro” e até pirotecnia.

Cláudia Peres de Matos: Não será preciso muito mais do que foi apresentado. A fortaleza da canção e a imagem forte da cantora, com ou sem banda a acompanhar, será adequado. 

Diogo Canudo: Espero que criem uma atuação mais misteriosa, com muitos jogos pirotécnicos. No entanto, a Aminata já é um monstro de palco!

Elizabete Cruz: Toda a atuação tenta roçar no misterioso/sombrio. Os jogos de luzes estão bem conseguidos e fazem a maior parte do trabalho.

Jessica Mendes: É isto? Para uma música destas temos a cantora parada no palco a fazer meia dúzia de movimentos estranhos com os braços? Brilhante! Eu não conseguiria pensar em nada tão arrojado como isto!

Joana Martins: Na final nacional foi muito simples. Devem trabalhar nisso. 

Rita Pereira: Os movimentos que articula enquanto canta perfazem uma fantástica prestação de Aminata.


André Sousa: Acho que se trata de um letra bastante simplista e vazia de significado. É o tendão de Aquiles da Letónia. 

Andreia Fonseca: Obscura, tal como o instrumental. Um pouco obcecada, mas não deixa de ser original.

Catarina Gouveia: É das letras mais simples deste ano, conseguindo ser das mais bonitas.

Cláudia Peres de Matos: Tal como a melodia, é uma letra fora do comum. Ninguém se lembra de falar de “amor injectado”. 

Diogo Canudo: Gosto da letra. Não é fantástica, mas, no meio do simples, está muito bem conseguida. Peca por falta de profundidade.

Elizabete Cruz: Tal como tudo o resto, tenta retratar o lado escuro e como o amor o consegue reavivar. Mais do mesmo.

Jessica Mendes: Vamos todos lutar para que a palavra “love” seja proibida nos títulos de músicas eurovisivos?!

Joana Martins: Love injected, para mim, soa algo esquisito, mas pronto.

Rita Pereira: Uma letra simples mas poderosa.


André Sousa: Uma passagem à final e espero que um bom lugar.

Andreia Fonseca: Não sei se conseguirá sobressair na semifinal. 

Catarina Gouveia: Adoraria vê-la na final, mas julgo que há poucas chances por ser um género com o qual nem toda a gente simpatiza.

Cláudia Peres de Matos: Há alguns anos que a Letónia não está na final. Este poderá ser o ano, até porque a canção já tem muito boa reputação. 

Diogo Canudo: Adorava ver isto na final, mas duvido.

Elizabete Cruz: Acho que estará na final, mas não por minha vontade.

Jessica Mendes: Vai falhar miseravelmente, e eu vou adorar ver.

Joana Martins: Sem comentários.

Rita Pereira: Com uma boa apresentação de palco, a canção poderá primar pela diferença e passar, conquistando um top 15. Sem isso, não se qualificará.


André Sousa: 8 pontos

Andreia Fonseca: 6 pontos

Catarina Gouveia: 8 pontos

Cláudia Peres de Matos: 6 pontos

Diogo Canudo: 6 pontos

Elizabete Cruz: 4 pontos

Jessica Mendes: 0 pontos

Joana Martins: 2 pontos

Rita Pereira: 10 pontos

Total: 50 pontos


André Sousa: “Primeiro estranha-se, depois entranha-se.”

Andreia Fonseca: Um pão com manteiga sem sal: engana a fome, mas não sacia.

Catarina Gouveia: A prova de que o simples consegue ser o melhor.

Cláudia Peres de Matos: Finalmente acordaram para a vida!

Diogo Canudo: Fiquei completamente injectado com esta música!

Elizabete Cruz: Acho que vou diminuir o volume a tv, nesta música.

Jessica Mendes: Os compositores devem ter injetado outra coisa que não amor quando fizeram a música.

Joana Martins: Preferia andar a fazer bolos como no ano passado. 

Rita Pereira: “Um místico som étnico que perfaz uma das melhores canções da Letónia no Festival Eurovisão da Canção.”


 Israel - 86 pontos;  Estónia - 79 pontos;  Montenegro - 73 pontos;  Albânia - 73 pontos;  Bielorrússia - 70 pontos;  Noruega - 68 pontos;  Geórgia - 61 pontos; 8º Rússia - 58 pontos;  Malta - 56 pontos; 10º Irlanda - 55 pontos; 11º Roménia - 54 pontos; 12º Lituânia - 54 pontos; 13º Portugal - 51 pontos; 14º Letónia - 50 pontos; 15º Grécia - 50 pontos; 16º Macedónia - 48 pontos; 17º Sérvia - 47 pontos; 18º Bélgica - 46 pontos; 19º República Checa - 45 pontos; 20º Holanda - 43 pontos; 21º Dinamarca - 35 pontos; 22º Arménia - 35 pontos; 23º Moldávia - 23 pontos; 24º Hungria - 22 pontos; 25º São Marino - 16 pontos; 26º Finlândia - 5 pontos.


Vídeo: Eurovision.tv
19/04/2015

Sem comentários


Não é permitido:

. Publicar comentários de teor comercial ou enviar spam;

. Publicar ou divulgar conteúdo pornográfico;

. O uso de linguagem ofensiva ou racista, ou a publicação de conteúdo calunioso, abusivo, fraudulento ou que invada a privacidade de outrem;

. Desrespeitar o trabalho realizado pelos colaboradores do presente blogue ou os comentários de outros utilizadores do mesmo - por tal subentende-se, criticar destrutivamente ou satirizar as publicações;

. Divulgar informações sobre atividades ilegais ou que incitem o crime.

Reserva-se o direito de não serem publicados comentários que desrespeitem estas regras.

Com tecnologia do Blogger.