[Inquérito]: respostas sobre a participação de Portugal no ESC 2016


De 28 de maio a 15 de junho, numa iniciativa conjunta de diversos sites e páginas web, esteve disponível para resposta um inquérito online que pretendia aferir a opinião dos portugueses sobre o método de seleção da canção portuguesa para o Festival Eurovisão 2016. 

Responderam ao inquérito 1003 pessoas, número que supera largamente as expetativas dos proponentes desta iniciativa - sites e páginas web constantes da imagem acima. Recordamos que cada registo no google apenas poderia responder uma única vez ao inquérito.

De entre os que responderam ao inquérito, 670 são do sexo masculino, ou seja 66.8%, sendo que 333 são do sexo feminino, representando por isso 33.2% dos respondentes.

O inquérito chamou a atenção particularmente dos jovens. 44.9% daqueles que responderam tem idade compreendida entre os 18 e os 25 anos de idade e 11.7% entre os 26 e os 29 anos de idade. 12.8% tem menos de 18 anos de idade.  Estes dados vêm demonstrar, para quem ainda tinha dúvidas, o crescente interesse do fenómeno Eurovisão junto das camadas mais jovens.

Sobre o método de seleção da canção portuguesa para o ESC2016, uma grande maioria prefere a continuação do Festival da Canção:  67.7% não quer uma seleção interna, mas sim um festival da canção com vários intérpretes e canções. Por seu turno, 22.4% defende seleção interna de um artista/banda com várias canções, enquanto apenas 9.9% é de opinião que a melhor escolha da RTP seria apenas um artista/banda com apenas uma canção já escolhida pela estação pública.

De entre os 32.3% que preferem uma seleção interna, 78.94% defende que a escolha recaia num artista/banda de reconhecido mérito e sucesso discográfico e de concertos em Portugal, enquanto os restantes (21.06%) por um artista/banda "novo talento", sendo a Eurovisão a alavanca para a sua carreira.

De entre os 67.7% que defendem a realização do Festival da Canção, uma grande maioria, mais concretamente 67.2% ,  defende um concurso aberto a compositores e canções por qualquer interessado (portugueses e estrangeiros). 20.9% defende, por outro lado, a abertura de concurso a compositores e canções por qualquer interessado (só portugueses). O método de convite a compositores, precisamente o método escolhido pela RTP nos últimos anos, merece o agrado de poucos: Apenas 6.88% opta pelo convite a compositores portugueses e estrangeiros e apenas 4.98% escolhe o método de convite a compositores apenas portugueses.

Quando perguntámos em que idioma deveria ser interpretada a canção de Portugal no Festival Eurovisão 2016, as respostas não deixam dúvidas: Apenas 17.9% defende que a canção deve ser cantada exclusivamente em português. 38.9% das pessoas que responderam são de opinião que a canção deve ser cantada em Português e em Inglês, enquanto 34% é de opinião que a canção deve ser cantada exclusivamente em inglês. 9.2% respondeu "Outro". Alguns dos respondentes de "Outro" escreveram, nos comentários, que defendem liberdade total de idioma no Festival da canção nacional, sendo que a decisão caberia ao público em votar na canção da sua preferência, independentemente do idioma.

Finalmente, perguntámos qual deve ser a nacionalidade do intérprete/vocalista. A maioria, concretamente 55.2% dos respondentes, defendem que o artista deve ser Português ou de um país da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. 37.6% defende que o intérprete deve obrigatoriamente ser Português.  7.2% não tem preferência quanto à nacionalidade.

De acordo com o indicado desde a primeira hora, as respostas serão enviadas para a RTP, sendo que a decisão final quanto à participação, ou não, no Festival Eurovisão e qual o método de seleção da canção representante das cores nacionais será da inteira responsabilidade da estação pública. O certo é que, com esta iniciativa inédita, a RTP terá, acreditamos nós, uma excelente mostra das preferências do público. Público este que é, no fundo, para quem trabalha.

19/06/2015

Sem comentários


Não é permitido:

. Publicar comentários de teor comercial ou enviar spam;

. Publicar ou divulgar conteúdo pornográfico;

. O uso de linguagem ofensiva ou racista, ou a publicação de conteúdo calunioso, abusivo, fraudulento ou que invada a privacidade de outrem;

. Desrespeitar o trabalho realizado pelos colaboradores do presente blogue ou os comentários de outros utilizadores do mesmo - por tal subentende-se, criticar destrutivamente ou satirizar as publicações;

. Divulgar informações sobre atividades ilegais ou que incitem o crime.

Reserva-se o direito de não serem publicados comentários que desrespeitem estas regras.

Com tecnologia do Blogger.