O que faz Portugal na Eurovisão? - Primeiro texto: fãs e bloggers


A OPINIÃO DOS FÃS E BLOGGERS
PARTE 1

Ninni (Finlândia), Julian (Alemanha), Paul (Russia), Fabrizio (Suíça) e Robert (editor do site ESC Hungary) parecem ter muito pouco em comum. São de países diferentes, de géneros diferentes e idades também diferentes, no entanto há uma coisa que os une: são os cinco fãs da Eurovisão. Foi com estes cinco fãs (e mais alguns) que estivemos à conversa para tentar perceber o que está errado com as nossas participações eurovisivas. Será apenas o facto de não termos vizinhos que nos deixa fora dos melhores lugares? Será que os eurofãs estrangeiros também acham, como muitos de nós, que somos injustiçados ano após ano? Será que sobrevalorizamos as canções que enviamos ao concurso? Será que os eurofãs estão tão “cansados” das nossas baladas como nós? Foi isto que tentámos perceber com aqueles que podem votar em nós: os eurofãs estrangeiros.

Que memórias têm os eurofãs das nossas participações? Será que marcámos assim tanto o panorama eurovisivo? A finlandesa Ninni diz-nos que “Portugal geralmente envia músicas boas mas acaba esquecido”. Paul recorda a nossa eterna ‘regra’ de “cantar sempre na língua materna” e as nossas “opções arriscadas no Festival da Canção”. Robert confessa que as canções portuguesas não estão entre as suas preferidas e, de repente, consegue apenas lembrar-se das de 2008, 2009, 2014 e 2015.

As músicas portuguesas “acabam no mesmo ponto onde começam”

Quais foram então as músicas portuguesas preferidas destes eurofãs? Todos falam em fado, apesar de nunca termos enviado um fado puro. “Senhora do Mar” e “Vida Minha”, as que mais se aproximavam do fado, são as preferidas de Julian. Para o russo Paul, “Canção do Mar” é a nossa melhor canção de sempre e deixa-nos ainda vários nomes dos seus artistas portugueses preferidos que gostaria de ver no ESC como Mariza, Carminho, Cristina Branco ou Henrique Feist. Fabrizio salienta a elevação do fado a património imaterial da humanidade e diz-nos que a sua música portuguesa preferida foi também “Vida Minha”. Para o editor do site ESC Hungary, a nossa melhor representante foi Rita Guerra com “Deixa-me Sonhar”, mas também Leonor Andrade que estava no seu top 10.


Então porque é que Portugal nunca venceu a Eurovisão? Tendemos a apontar o dedo aos votos dos países vizinhos, mas pensarão os eurofãs estrangeiros da mesma forma? Ninni e Julian acreditam que “as músicas portuguesas não têm sido muito modernas” nem “boas o suficiente” e as pessoas “gostam mais de outras canções”. Paul diz que o problema está no televoto. Votamos nas músicas “que apelam ao público português” e não ao europeu. Fabrizio diz que um dos problemas é exatamente o facto de “Portugal só ter um vizinho e não ser um país muito conhecido”, mas afirma que o problema maioritário são as músicas “ultrapassadas”. Robert acredita “não haver uma razão específica já que muitos países ainda não ganharam o ESC”.

“As músicas portuguesas não têm sido muito modernas”

Que canções portuguesas foram, de facto injustiçadas? Para Ninni foram “várias, mas definitivamente ‘Quero Ser Tua’, que é uma música tão divertida e merecia claramente a passagem à final, e a ‘Senhora do Mar’”. Para Julian temos sido injustiçados desde 2008 já que, a seu ver, “todas as canções desde aí mereciam um melhor lugar, à exceção de 2011”. Paul concorda e acrescenta ainda que “desde 2000 todas mereciam melhores lugares menos ‘A Luta É Alegria’ e ‘Amar’”. 2010, 2012 e 2015 foram os anos em que, segundo o suíço Fabrizio fomos mais injustiçados no ESC. Robert refere como mais injustiçadas Rita Guerra e Leonor Andrade. 


Afinal o que é que precisamos de fazer para alcançar melhores resultados? O conselho de Ninni passa pela “promoção”. Julian diz-nos que temos de enviar “pop internacional de qualidade”. O alemão refere ainda que temos de apostar em “artistas especiais” já que nos últimos anos temos enviado cantores “normais” e que acabam por passar despercebidos. Outro ponto referido pelo Julian é algo há muito desejado por grande parte dos eurofãs portugueses: cantar em inglês. “Deviam enviar algo moderno mas original. As vossas últimas músicas não o são e não vão de acordo aos gostos da maioria das pessoas. Olhem para Israel ou para a Letónia: não se qualificavam há anos, mas este ano enviaram algo moderno e original e conseguiram o top 10”, acrescenta. Para Paul o problema está no Festival da Canção. “É preciso encontrar o equilíbrio entre o voto do público e do júri” e conseguir um júri “competente e imparcial” e um público “que não vote só nos artistas”. Fabrizio diz-nos que gosta que Portugal aposte em músicas mais tradicionais mas que talvez seja altura de apostar num pop moderno e em inglês, e relembra: “dos vencedores deste século, só um não cantou em inglês”. O editor do site ESC Hungary diz-nos que as músicas portuguesas “acabam no mesmo ponto onde começam” e a estrutura “não leva a lado nenhum”, mas pede-nos para mantermos as canções em português. 

 “É preciso encontrar o equilíbrio entre o voto do público e do júri no FC”

E canções que gostassem de ter visto na Eurovisão, mas que não conseguiram vencer o Festival da Canção? As mais referidas por estes cinco eurofãs são: “Mea Culpa”, “Canta Por Mim” e “Outra Vez Primavera”, talvez as grandes preferidas a vencer o FC2014 e 2015, respetivamente. A finlandesa Ninni destaca ainda a segunda classificada deste ano “Um Fado em Viena”. Paul é um seguidor atento do Festival da Canção e, talvez sem o saber, um fã das músicas compostas por Nuno Feist. Além da já referida “Outra Vez Primavera”, disse-nos ainda que gostava de ter visto no palco eurovisivo “Sonhos Roubados” e “Quase a Voar”, referindo ainda “Chegar à Tua Voz”. A canção de Luciana Abreu em 2009 mereceu também referência por parte de Robert.


ENGLISH VERSION
What is Portugal doing in Eurovision?

Ninni (Finland), Julian (Germany), Paul (Russia), Fabrizio (Switzerland) and Robert (ESC Hungary site editor) don’t seem to have a lot in common. They are from different countries,  different genders and different ages, however there is one thing that unites them all: they are all Eurovision fans. It was with these five fans (and some more) that we were talking in order to understand what is wrong with our eurovision entries. Is it just the fact that we don’t have neighbors that let us out of the best places? Does foreign eurofans think, like many of us, that Portugal is underated year after year? Do we overated the songs that we send to the contest? Are eurofans as “tired” as we are of our ballads? This is what we tried to understand with those who can vote for us: foreign eurofans.

What memories do eurofans have of our participations? Did we marked the eurovision history? Ninni tells us that “Portugal usually sends very nice songs but ends up being forgotten”. Paul reminds our eternal 'rule' of "always singing in the national language " and our “risky choices at the Festival da Canção”. Peterman confesses that the Portuguese songs are not among his favorite and suddenly he can only remember the 2008, 2009, 2014 and 2015 entries.

“Portugese songs are end where they begin” and its “structure are not leading anywhere”

What were the favorite portuguese entries of these eurofans? They all talk about fado, although we have never sent a pure fado song. "Senhora do Mar" and "Vida Minha" the ones that more resemble fado, are Julian’s favourites. For Paul, "Canção do Mar" is our best song ever and he leaves us some names of his favorite portuguese artists who he would like to see in ESC such as Mariza, Carminho, Cristina Branco or Henrique Feist. Fabrizio tells us that his favorite Portuguese music was also "Vida Minha". For the ESC Hungary site editor, our best representative was Rita Guerra with “Deixa-me Sonhar", but also Leonor Andrade who was in his top 10 this year.


So why did Portugal never won Eurovision? We tend to point the finger to the votes of neighboring countries, but does foreign eurofans think the same way? Ninni and Julian believe that "the Portuguese entries haven't been very modern songs" or "good enough" and “people have liked other songs more". Paul says the problem is in the televoting. We tend to “choose the songs which appeal more to the portuguese public” and not the European. Fabrizio says one problem is precisely the fact that “Portugal has only one neighbour country and is not that much known”, but says the major problem is the "outdated" songs. Robert believes there is no specific reason as “several countries haven’t won the contest yet, not only Portugal”.

"The Portuguese entries haven't been very modern songs"

Were the Portuguese songs underated? To Ninni were “so many.. But ‘Quero ser tua’ definitely, it was such a fun song and definitely deserved a place in the final” and also ‘Senhora do Mar’. For Julian we have been underated since 2008 and for him “All entries since 2008, except 2011” deserved a better place. Paul agrees and adds that “since 2000 most of them [deserved a better place] except for ‘A luta e alegria’ and ‘Amar’”. 2010, 2012 and 2015 were the years in which, according to Fabrizio we were more underated in the ESC. Robert refers as most underated Rita Guerra and Leonor Andrade.


So what do we need in order to achieve better results? Ninni’s advice is "promotion”. Julian tells us that we need to send "good, international pop”. The German also said that we have to bet on artists who are “a bit more special" since in recent years we have sent “a bit too 'normal' and boring” singers and we end up going unnoticed. Another point made by Julian is something long desired by most Portuguese eurofans: singing in English. “You should send something modern but still original. Your previous entries were pretty outdated and didn't fit to the current music tastes of most of the people. Look at Israel or Latvia this year: they didn't qualify many years as well, but this year they sent modern, original pop songs and managed to get Top 10 places”, he adds. For Paul the problem is in Festival da Canção. "You need to find balance between the juries and the televoting" and get a jury who is “objective about the songs”. Fabrizio tells us that he likes that Portugal bets on more traditional music but it may be time to invest in a modern pop in English, and reminds, “out of the winners of this decade we barely had anything traditional and only one which wasn't in English”. ESC Hungary site editor tells us that the “portugese songs are end where they begin” and its “structure are not leading anywhere” but asks us to keep the songs in Portuguese.

"You need to find balance between the juries and the televoting"

How about the songs that they would love to see in ESC but didn’t made it there? The most frequently mentioned by these five eurofans are: ‘Mea Culpa’, ‘Canta Por Mim’ and ‘Outra Vez Primavera’, perhaps the big favorites to win the FC2014, FC2010 and FC2015, respectively. Ninni also highlights the runners this year ‘Um Fado em Viena’. Paul is a fan Festival da Canção  and perhaps without knowing it, a fan of the musics composed by Nuno Feist. In addition to ‘Outra Vez Primavera’ he also told us that he liked to have seen in eurovisivo stage ‘Sonhos Roubados’ and ‘Quase a Voar’ referring also ‘Chegar À Tua Voz’ from Wanda Stuart. Luciana Abreu’s song in 2009 was refered by Robert.

Imagens: EurovisãoPortugal.com e JN
05/07/2015

2 comentários:


Não é permitido:

. Publicar comentários de teor comercial ou enviar spam;

. Publicar ou divulgar conteúdo pornográfico;

. O uso de linguagem ofensiva ou racista, ou a publicação de conteúdo calunioso, abusivo, fraudulento ou que invada a privacidade de outrem;

. Desrespeitar o trabalho realizado pelos colaboradores do presente blogue ou os comentários de outros utilizadores do mesmo - por tal subentende-se, criticar destrutivamente ou satirizar as publicações;

. Divulgar informações sobre atividades ilegais ou que incitem o crime.

Reserva-se o direito de não serem publicados comentários que desrespeitem estas regras.

Com tecnologia do Blogger.