ESC 2016: figuras públicas descontentes com a não-participação de Portugal


Depois de a decisão da Rádio e Televisão de Portugal (RTP) de não participar no Festival Eurovisão da Canção 2016, algumas figuras públicas já revelaram o seu descontentamento com a decisão.

Personalidades como Nucha, que representou Portugal em 1990, considerar que isto é um recuo na história: "Deixarem de participar é no fundo não deixar que a nossa história continue em frente e esquecer um passado. É como uma desistência de uma luta de anos e anos...". Da mesma opinião partilha Manuela Bravo, representante em 1979, afirmando que "A RTP nunca quis investir a sério na Eurovisão", e Suzy, representante em 2014, que espera que Portugal regresse rapidamente, com "uma forte aposta, com um espírito mais competitivo, que a RTP apoie, invista realmente na canção vencedora, através da elaboração atempada de um marketing estratégico...".

Gerson Santos, participante no Festival RTP da Canção 2012, até vai mais longe: é "uma falta de respeito para com todos os artistas portugueses" a saída de Portugal do concurso". Também a participante em 2014, Madalena Trabuco, considera que sair do Festival da Eurovisão não é apenas proibir um país de participar, mas sim "proibir o resto da comunidade europeia de conhecer o nosso lindíssimo idioma".

Rui Andrade, terceiro classificado em 2011, 2012 e 2013, e assumido fã eurovisivo, afirmou que se sentiu "com a mesma desilusão e choque como qualquer outro eurofã". E Artur Jordão, compositor e intérprete no Festival da Canção em 2001, criticou as políticas estratégicas que a RTP tem feito nos últimos anos, questionando sobre a escolha dos mesmos produtores, ano após ano: "Não me digam que em Portugal inteiro só existe o Fernando Martins e o Ramon Galarza para produzir? Não acredito! Porque será que são sempre eles os escolhidos, hâ?".

Estas opiniões foram transmitidas pela OGAE Portugal, que tem feito várias iniciativas para este assunto não se faça esquecer nas próximas semanas.

Num espaço de poucos dias, desde o anúncio definitivo da estação pública, os fãs portugueses já se têm manifestado por diversas vezes. Além da criação de uma campanha crowdfunding, que já conta com 35€, e da invasão de mensagens ao e-mail provedor da RTP, a última manifestação foi a criação de uma petição pública que pretende ser levada à Assembleia da República. Assine-a: [AQUI].

Para relembrar que a RTP tenciona voltar em 2017 e com ideias renovadas e com um plano bem estruturado para a participação portuguesa. Uma nova estratégia da RTP para o certame parece ser a prioridade a partir de 2017.

Portugal estreou-se no Festival Eurovisão da Canção em 1964 e o seu melhor resultado é um sexto lugar: em 1996, com Lúcia Moniz e a canção “O meu coração não tem cor". Em 2015 o país foi representado por Leonor Andrade e a canção “Há um mar que nos separa”, alcançando o 14º lugar na semifinal com um total de 19 pontos. 

Veja a última representação portuguesa:


Fonte/Imagem: ESCPortugal/Vídeo: eurovision.tv
18/10/2015

Sem comentários


Não é permitido:

. Publicar comentários de teor comercial ou enviar spam;

. Publicar ou divulgar conteúdo pornográfico;

. O uso de linguagem ofensiva ou racista, ou a publicação de conteúdo calunioso, abusivo, fraudulento ou que invada a privacidade de outrem;

. Desrespeitar o trabalho realizado pelos colaboradores do presente blogue ou os comentários de outros utilizadores do mesmo - por tal subentende-se, criticar destrutivamente ou satirizar as publicações;

. Divulgar informações sobre atividades ilegais ou que incitem o crime.

Reserva-se o direito de não serem publicados comentários que desrespeitem estas regras.

Com tecnologia do Blogger.