Apreciações Musicais - ESC 2016: Austrália


DAMI IN - "SOUND OF SILENCE"



André Sousa: Um instrumental recente, atual. Todo ele contribui para que a voz da intérprete se destaque, e com que a composição marque a sua presença e fique no ouvido.

Carolina Pinto: Adoro “Sound Of Silence”.  Imagino este tema a passar inúmeras vezes nas rádios. É um pop girinho, digamos. Não é nada demais, digamos que não tem aquele fator para ganhar, mas tem uma boa vibe. No entanto ganha por não ser uma “azeiteirice” como muitos outros temas. 

Catarina Gouveia: A Austrália volta a pisar o palco da Eurovisão, desta vez com um tema mais sério, o que só demonstra que não querem abandonar o festival tão cedo. É uma canção com uma força imensa, moderna, que não vai deixar ninguém indiferente.

Cláudia Peres de Matos: Esta é talvez a proposta mais comercial do certame. Consigo atribui-la a qualquer cantora americana prestigiada. A Austrália quer mesmo vingar no ESC. No entanto, quanto mais a oiço, mais me cansa. O refrão é muito repetitivo e sem graça. 

Diogo Canudo: “Sound of Silence” apresenta um instrumental moderno, pop contemporâneo, e também ao mesmo tempo radiofriendly. Mais uma vez, a Austrália a dar-nos uma lição musical e a mostrar todo o seu esplendor no concurso.

Elizabete Cruz: A Austrália volta com todo. Mais uma vez apresenta-se com um instrumental poderoso e comercial, que certamente vai marcar a sua posição em Estocolmo. No entanto, apesar de reconhecer o potencial, não me reconheço como admiradora da música.

Jessica Mendes: A verdade é que esta canção não acrescenta nada de novo, mas é muito boa. Um pouco repetitiva e o refrão um pouco fraco em relação às restantes partes, mas é mais uma excelente aposta da Austrália.

Joana Martins: É moderno mas depois também se torna aborrecido. 

Maria Silva: Na minha opinião é dos temas mais fortes desta edição do festival, muito devido à calma que transmite e simultaneamente a força de que o tema é portador. Sem dúvida um tema que poderá levar a Austrália à vitória.

Pedro Emídio: Uma composição forte e bem conseguida. As variações de ritmo tornam o tema cativante.

Ricardo Mendes: A Austrália apresenta-nos um instrumental apaixonante e que nos faz manter presos desde do seu início! Uma sonoridade muito atual e quase posso comparar este instrumental com o "Hello" da Adele! Mas gosto mais deste!


André Sousa: Que voz fantástica! Bastou ouvir este tema pela primeira vez para entrar directamente para o meu top 3. É uma voz demarcada, forte, tão segura que acaba por arrepiar. Destaco o ponto forte mesmo no refrão, quando a voz aumenta o seu tom e a sua extensão. Óptima escolha, Austrália. 

Carolina Pinto: Muito suave, nada de extraordinário mas dá para o gasto. Afinada, o que é o mais importante. 

Catarina Gouveia: Apesar de adorar a canção, tenho de admitir que o ponto mais forte desta proposta é a voz de Dami Im. Impecável!

Cláudia Peres de Matos: Voz segura, limpa e poderosa. Não terá dificuldades em triunfar ao vivo. 

Diogo Canudo: Dami Im é uma excelente jovem cantora, com uma belíssima e delicada voz. Adoro ouvi-la nos momentos mais altos da canção. 

Elizabete Cruz: Uma das melhores vozes femininas desta edição! Soa extremamente bem e, dado o profissionalismo da cantora, dificilmente irá falhar.

Jessica Mendes: Dami Im tem uma voz lindíssima e poderosa que não irrita nem nas partes mais altas da canção. 

Joana Martins: Parece que é uma boa voz ao vivo. Nada mais. 

Maria Silva: Uma das minhas vozes favoritas deste festival, pela sua “limpeza” por ter são clara, e claro, bonita, é uma voz que nos faz parar para concentrarmos toda a nossa atenção no tema.

Pedro Emídio: Um dos pontes fortes da apresentação australiana. Sem dúvida, que a escolha da Dami Im foi uma boa escolha. Uma voz forte, afinada e bastante competente. 

Ricardo Mendes: A voz da Dami adequa-se muito bem ao tema apresentado! Gosto muito!


André Sousa: Apesar de não ter visto ainda nenhuma atuação ao vivo, espero contudo algo que surpreenda. A Austrália não entrou no certamente para brincar.

Carolina Pinto: Espero ver a Dami In a brilhar num longo vestido vermelho a esvoaçar. Fará o público vibrar certamente.

Catarina Gouveia: Estou curiosa. A intérprete já disse que irá utilizar um visual único e fashion-forward. Não sei se sinta medo ou ansiedade.

Cláudia Peres de Matos: Vamos ver o que a Austrália é capaz de fazer. Com um registo totalmente diferente da do ano passado, conseguiremos ver qual a tendência-espetáculo deste país.   

Diogo Canudo: Estou ansioso para ver como esta música passará para palco. Dami Im já provou muitas vezes ser um monstro de palco. Se for algo muito bom, talvez ganhe a Eurovisão!

Elizabete Cruz: Mais uma vez aqui a experiência da cantora vai pesar. Para além disso, a Austrália já provou que sabe jogar este jogo. 

Jessica Mendes: Espero que este ano o país invista mais neste aspeto porque, para mim, no ano passado deixou muito a desejar. 

Joana Martins: Pode surpreender mas depois do que vi em 2015 (no ESC e no JESC) digo: a Austrália não nasceu para estas lides eurovisivas (condenem-me). 

Maria Silva: Neste tema é quase obrigatório o uso de um fundo forte, e claro dança!

Pedro Emídio: Certamente que a intérprete irá conseguir cativar o público com a sua prestação. Não acredito que este tema venha a ter uma grande produção, mas também não precisa disso para conseguir ganhar a atenção do público.

Ricardo Mendes: Não precisa de muito! Nesta canção requerer-se simplicidade!


André Sousa: O som do silêncio tem muito que se lhe diga. Esta letra é fantástica, sem qualquer dúvida. 

Carolina Pinto: Torna-se um pouco repetitiva na parte do refrão, não deixando de ser diferente e moderna. 

Catarina Gouveia: Os versos estão bem escritos e estruturados, e o refrão é repetitivo e orelhudo.

Cláudia Peres de Matos: É uma letra de amargura devido à ausência de alguém. Não é dotada de grandes frases. 

Diogo Canudo: Uma letra bem construída, moderna que fica perfeitamente na cabeça de qualquer um que a ouve. Não é uma obra de arte, mas é suficientemente boa.

Elizabete Cruz: Mais uma vez o amor que não acude, e no final resta o silêncio. Até que faz sentido!

Jessica Mendes: O refrão é muito repetitivo e nem sequer chego a perceber a história da letra (se é que a há) com tanto som do silêncio. É impressionante como os nativos ingleses conseguem sempre fazer as letras menos interessantes.

Joana Martins: Nada de especial. Muita repetitiva sem necessidade no refrão.

Maria Silva: Das melhores letras que este festival tem. Sem sombra de dúvida que irá levar o público Eurovisivo à loucura.

Pedro Emídio: O poema é bastante competente, está à altura da voz da intérprete e da qualidade do instrumental utilizado. 

Ricardo Mendes: Uma letra que se adequa ao instrumental. Um poema que retrata o amor ausente! 


André Sousa: O que se avizinha? Uma clara passagem à final e um lugar no top 5. 

Carolina Pinto: Certamente passará à final, ficará talvez no top 15. 

Catarina Gouveia: Penso que não terá dificuldades na passagem à final. Aí, dependerá muito da atuação.

Cláudia Peres de Matos: Os australianos já conquistaram os eurofãs. Passagem à final quase certa. 

Diogo Canudo: Espero que isto lute pela vitória.

Elizabete Cruz: Provavelmente um top 10.

Jessica Mendes: Mais um top 5.

Joana Martins: Vai passar à final porque é a nova sensação. 

Maria Silva: Top 10, com certeza!

Pedro Emídio: Uma passagem para a final. 

Ricardo Mendes: Novamente, a Austrália ficará no top 10!


André Sousa: 10 pontos

Carolina Pinto: 8 pontos

Catarina Gouveia: 10 pontos

Cláudia Peres de Matos: 5 pontos

Diogo Canudo: 7 pontos

Elizabete Cruz: 6 pontos

Jessica Mendes: 8 pontos

Joana Martins: 2 pontos 

Maria Silva: 12 pontos

Pedro Emídio: 8 pontos 

Ricardo Mendes: 12 pontos

Total: 88 pontos


André Sousa: Se todos os países fossem como a Austrália, a Eurovisão seria muito mais do que aquilo que é.

Carolina Pinto: Para a segunda participação no concurso, não está nada mal!

Catarina Gouveia: Amigas, ainda não foi desta que nos trouxeram a Kylie Minogue…

Cláudia Peres de Matos: Se é para ficar, venha algo muito mais espetacular!

Diogo Canudo: Adoro ver a Austrália a dar lições de como se faz uma boa música aos outros países da Eurovisão!

Elizabete Cruz: Onde será que a Austrália vai arranjar este ano os vizinhos para que os estúpidos culpem a política pelos bons resultados de alguns países?

Jessica Mendes: Vamos ter o ESC em Sydney para o ano?

Joana Martins: Por mim podem voltar para o vosso continente… 

Maria Silva: Não dês momentos de silêncio. Continua a cantar, não pares!

Pedro Emídio: Uma excelente aposta, vamos ver como é que a Europa reage a este tema. 

Ricardo Mendes: Austrália e os seus cangurus com o seus corações a bater e a saltar ao som do silêncio!


 Rússia - 113 pontos; 2º Chipre - 101 pontos; 3º Hungria - 99 pontos; 4º Austrália - 88 pontos;  Bósnia & Herzegovina - 84 pontos;  Islândia - 83 pontos; 7º República Checa - 83 pontos;  Azerbaijão - 80 pontos; 9º Arménia - 78 pontos; 10º Malta - 77 pontos; 11º Estónia - 75 pontos; 12º Holanda - 71 pontos; 13º Croácia - 70 pontos; 14º Moldávia - 41 pontos; 15º Áustria - 40 pontos; 16º Finlândia  - 39 pontos; 17º Grécia - 39 pontos; 18º Montenegro - 30 pontos19º São Marino - 5 pontos.

Vídeo: Eurovision.tv
04/04/2016

Sem comentários


Não é permitido:

. Publicar comentários de teor comercial ou enviar spam;

. Publicar ou divulgar conteúdo pornográfico;

. O uso de linguagem ofensiva ou racista, ou a publicação de conteúdo calunioso, abusivo, fraudulento ou que invada a privacidade de outrem;

. Desrespeitar o trabalho realizado pelos colaboradores do presente blogue ou os comentários de outros utilizadores do mesmo - por tal subentende-se, criticar destrutivamente ou satirizar as publicações;

. Divulgar informações sobre atividades ilegais ou que incitem o crime.

Reserva-se o direito de não serem publicados comentários que desrespeitem estas regras.

Com tecnologia do Blogger.