Apreciações Musicais - ESC 2018: República Checa



Mikolas Josef - "Lie To Me"



André Sousa: Gosto bastante do instrumental, principalmente da parte do trompete. Toda a energia e o bom feeling deste tema, faz com que me apeteça colocar no repeat o tema e, com isso, escutá-lo mais uma vez. 

Andreia Valente: Jason Derulo meets Justin Timberlake. Acho que devíamos ter deixados os trompetes em 2014, mas “Lie To Me” é catchy e tem um instrumental que ninguém diria que vinha da República Checa. 

Catarina Gouveia: Após a receita para o desastre do ano passado, a República Checa regressa com uma música que, pessoalmente, nunca ouviria por livre vontade, mas que me contagia por todo o seu atrevimento e atitude despreocupada. 

Daniel Fidalgo: O instrumental, apesar de bem produzido, é demasiado repetitivo ao meu ouvido. Não sou propriamente fã deste tipo de pop, principalmente quando já está tão explorado nas rádios mundiais. É agradável, nada mais… E o recurso a saxofones para fazer músicas pop pastilha elástica ficou em 2016.

Diogo Canudo: Não sou propriamente fã destas batidas, no entanto não posso negar o quanto este tipo de músicas estão na berra. Acho “Lie To Me” super cool, atual, moderna e com instrumento demasiado trabalhado. Gosto imenso do uso do saxofone.

Elizabete Cruz: Adoro desde a primeira audição. É catchy e faz querer dançar. Vai com certeza ser um dos melhores momentos do festival.

Jessica Mendes: “Lie to me” é uma música moderna, catchy e que se diferencia das restantes graças ao saxofone. Não é nenhuma obra de arte, mas é divertida.

João Vermelho: Dos instrumentais mais originais e divertidos deste ano, adoro as trompetes no refrão.

Neuza Ferreira: É um instrumental bastante divertido, chamativo e que fica no ouvido. O uso do trompete é bastante interessante e dá um toque especial.

Patrícia Leite: A República Checa chega-nos com um instrumental super alegre e atual, mas ao mesmo tempo um pouco estranho. “Primeiro estranha-se, depois entranha-se”. 

Pedro Anselmo: É uma música bastante moderna. que fica na cabeça e que nos faz querer dançar, principalmente quando o trompete começa a tocar. 

Pedro Lopes: Um pouco semelhante a algumas músicas já comercializadas, mas, este ano, nem entremos por aí… gosto bastante, sobretudo da parte dos instrumentos de sopro.

Tiago Lopes: Uma música completamente catchy! O som do trompete é imediatamente contagiante. 





André Sousa: Uma voz clara que prenuncia bem as palavras. Contudo, não poderei muito bem avaliar as capacidades vocais, visto que esta música não é nada exigente em termos de projecção. 

Andreia Valente: Mikolas é um vocalista competente e tem um certo charme que grande parte da canção seja quase gemida.   

Catarina Gouveia: É obra aguentar “Lie to Me” sem perder o fôlego. Pela sua presença no festival ucraniano foi possível perceber que Mikolas não só é competente neste aspeto, como tem um bom inglês, ao contrário de vários participantes deste ano.

Daniel Fidalgo: É afinado e consegue ultrapassar com distinção a parte falada da canção. No entanto não tem uma voz extraordinária, o que também não é necessário para dar vida a este tema pouco desafiante.  

Diogo Canudo: Mikolas Josef é eficiente na forma como canta esta música. Pode não ser preciso uma grande projeção em palco, mas a nível de respiração esta canção é bastante complicado. Impressionante.

Elizabete Cruz: Talvez não esperasse isso, mas Mikolas é excelente ao vivo! A sua voz não se destaca muito, mas é mais do que competente.

Jessica Mendes: Não é nada do outro mundo mas é competente e não compromete.

João Vermelho: A voz do Mikolas nesta música é muito bem conseguida, esta música não necessita de uma grande voz mas sim de um grande interprete e o Mikolas já provou que é um bom intérprete!

Neuza Ferreira: Tem uma voz dita de normal. Para a canção é competente, mas não é uma voz que se destaque muito.

Patrícia Leite: Tem uma voz segura, com um timbre de acordo com o instrumental. Nada a apontar.

Pedro Anselmo: A voz não é nada por aí além, suficiente para cantar este tipo de música.

Pedro Lopes: Ao início, não achava nada de mais à voz do Mikolas. Sentia que era um pouco ‘falado’. Mas, o ouvido foi-se habituando e acaba-se por gostar. Um exemplo de como não são precisos grandes esforços para resultar bem numa música.

Tiago Lopes: Não sendo uma música fácil de cantar, Mikolas é dotado de uma voz singular, sendo competente neste tema. 


André Sousa: Tudo é que espero é que exista muita interacção com o público, com a câmara e que no palco isto resulte. Porque ou se aposta num bom resultado em termos cénicos, ou este tema morre na praia. 

Andreia Valente: Mikolas é um performer perfeito: tem carisma, dança, canta e é jeitoso. Consigo ouvir metade da juventude europeia a derreter.

Catarina Gouveia: Esta é uma daquelas canções com um potencial extraordinário para um staging excelente. Mikolas tem imenso carisma e fará com certeza uma atuação memorável.

Daniel Fidalgo: Espero uma atuação típica de um miúdo a cantar este género, com alguns movimentos de dança, muita luz e algum firework

Diogo Canudo: Esperemos que a República Checa não exagere muito neste ponto porque o Mikolas já é suficiente carismático para levar a prestação a um bom porto.

Elizabete Cruz: Carisma é a palavra que define Mikolas. Ele é excelente em palco, consegue sozinho dar vida ao palco e fazer toda a gente se divertir.

Jessica Mendes: Ele é muito bom em palco, sabe como cativar o público e vai certamente meter toda a dançar.

João Vermelho: O camelo no palco, por favor! Mas espero ver bastante cores, animação, dança, e boa disposição, esta canção grita por um grande espetáculo.

Neuza Ferreira: Dançarinos, muitos dançarinos; espero que o Mikolas saiba dar uns passinhos de dança ... Vai ser preciso haver uma boa coreografia (animada) para fazer jus ao instrumental.

Patrícia Leite: Não sei como será a performance final, mas estou curiosa. Só espero que ele não leve mesmo um camelo para o palco. 

Pedro Anselmo: Mikolas enche o palco com o seu carisma. Estou à espera de bastante dança e entretenimento na sua actuação.

Pedro Lopes: Depois do que vi na final nacional da Ucrânia, eu só quero mais e mais daquilo tudo no palco de Lisboa!! Grande à vontade, grande dança e movimentos, sem nunca perder o fôlego e, melhor que tudo, sem desafinar! I’m feeling this!

Tiago Lopes: Mikolas é super carismático! Curioso para ver a sua performance no palco da Eurovisão. De certo que irá cativar a audiência com os seus dance moves


André Sousa: Nada de especial. Um pouco artificial e vazia, digo eu. 

Andreia Valente: Não precisamos de estar sempre ouvir Kumbaya, às vezes precisamos de ouvir sobre a traição que aconteceu no club. 

Catarina Gouveia: Pode parecer uma letra engraçada para muita gente mas o machismo presente nesta canção é um pouco… problemático? Ainda assim, "plenty motherfuckers wanna eat my spaghetti" é a deixa que quero levar para a vida.

Daniel Fidalgo: A letra é totalmente dispensável. Até esparguete mete. Tantas palavras para se usar na língua inglesa, tinham logo que usar esparguete. Melhor parte é mesmo a referência à Rainha do Pop, the one and only Madonna. 

Diogo Canudo: Uma letra super moderna, que foge aos clichés habituais. Os versos são fáceis mas ao mesmo tempo seguem uma via moderna da escrita musical. Eu gosto muito!

Elizabete Cruz: A letra não é propriamente boa, mas convenhamos que a música também não pede isso. Ninguém vai estar a prestar atenção, de qualquer maneira.

Jessica Mendes: Tal como a canção, é uma letra divertida a fazer alusão a algumas divas deste mundo. 

João Vermelho: O refrão acaba por ser repetitivo e a letra acaba por não ter uma mensagem inovadora e importante, porém é uma letra bastante original e divertida tal como esta música.

Neuza Ferreira: Acho esta letra um pouco confusa e, para mim, deixa um bocado a desejar.

Patrícia Leite: Curiosamente a canção fala do fim de uma relação. Torna-se um pouco confuso, pois o instrumental é um pouco animado, o que supostamente nos remete para um assunto sem tristezas.

Pedro Anselmo: Diria que não é, nem de perto, a melhor letra no certame… mas eu gosto, por incrível que pareça.

Pedro Lopes: É melhor passar mesmo pela inspeção necessária, que aquelas ‘gírias’ não fazem falta nenhuma à letra.

Tiago Lopes: “Lie to me” é uma composição com algum cariz sexual, estando presente o típico flirt da juventude. Não é nada de novo no panorama musical internacional, mas que não se vê muito na Eurovisão.


André Sousa: Fico com as minhas dúvidas se isto passará à final.

Andreia Valente: A República Checa tem de se qualificar. 

Catarina Gouveia: Os apostadores estão a depositar tudo neste rapaz. Acredito que a República Checa seja a surpresa da semifinal e tenha o seu melhor resultado até à dada – ainda que Gabriela Gunčíková merecesse mais uns aninhos de reinado!

Daniel Fidalgo: Vai passar facilmente à final e, quem sabe, se a República Checa não conquista um bom resultado. 

Diogo Canudo: Possivelmente um dos melhores resultados da República Checa de sempre.

Elizabete Cruz: A República vai conseguir o melhor resultado de sempre.

Jessica Mendes: Se fosse a Suécia dizia desde já que ia lutar pela vitória. Sendo assim, fica na semifinal.

João Vermelho: Apesar de ser a melhor música da República Checa nos últimos anos, tenho para comigo que vai ser difícil atingir um lugar alto na final, e vai depender da atuação ao vivo para passar à final.

Neuza Ferreira: Arrisco-me a dizer que esta canção vai obter o melhor resultado de sempre para a República Checa.

Patrícia Leite: Meio da tabela na final.

Pedro Anselmo: Vai conseguir um top 15.

Pedro Lopes: Melhor resultado da República Checa no ESC! 

Tiago Lopes: Passa facilmente à final e terá uma posição a lembrar a Moldávia. 





André Sousa: 2 pontos.

Andreia Valente: 8 pontos.

Catarina Gouveia: 6 pontos.

Daniel Fidalgo: 5 pontos.

Diogo Canudo: 6 pontos.

Elizabete Cruz: 7 pontos.

Jessica Mendes: 6 pontos.

João Vermelho: 7 pontos.

Neuza Ferreira: 8 pontos.

Patrícia Leite: 6 pontos.

Pedro Anselmo: 7 pontos.

Pedro Lopes: 8 pontos.

Tiago Lopes: 10 pontos.

Total: 86 pontos


André Sousa: Nem o bom feeling salva esta música!

Andreia Valente: Derretendo com este rapaz.

Catarina Gouveia: Ele vai mesmo de mochila para o palco?!

Daniel Fidalgo: Sinceramente, se ele vier de camelo para Lisboa e o animal desviar para o deserto, não se perde grande coisa. 

Diogo Canudo: Mikolas, eu acho que ninguém gosta de mentiras…

Elizabete Cruz: Estou ansiosa para começar a dançar isto na arena!

Jessica Mendes: Meh.

João Vermelho: Um hambúrguer diferente e dos bons.

Neuza Ferreira: Finalmente República Checa, finalmente!

Patrícia Leite: Parece uma paixão da adolescência.

Pedro Anselmo: A República Checa vai conseguir o seu melhor resultado de sempre.

Pedro Lopes: São duas caixas! Do que for que o Mikolas toma! Quero aquela energia, ao som da sua música!

Tiago Lopes: 12 pontos? “Come and give it to me”.



1.º Estónia - 144 pontos; 2.º Bélgica - 115 pontos;  3.º Israel - 112 pontos; 4.º Bulgária - 105 pontos; 5.º República Checa - 86 pontos; 6.º Lituânia - 77 pontos; 7.º Albânia - 76 pontos; 8.º Azerbaijão - 69 pontos; 9.º Bielorrússia - 48 pontos; 10.º Islândia - 31 pontos. 

Faça parte do resultado final das Apreciações Musicais e vote nas músicas do ESC 2018 AQUI.


Vídeo: Eurovision Song Contest

Sem comentários


Não é permitido:

. Publicar comentários de teor comercial ou enviar spam;

. Publicar ou divulgar conteúdo pornográfico;

. O uso de linguagem ofensiva ou racista, ou a publicação de conteúdo calunioso, abusivo, fraudulento ou que invada a privacidade de outrem;

. Desrespeitar o trabalho realizado pelos colaboradores do presente blogue ou os comentários de outros utilizadores do mesmo - por tal subentende-se, criticar destrutivamente ou satirizar as publicações;

. Divulgar informações sobre atividades ilegais ou que incitem o crime.

Reserva-se o direito de não serem publicados comentários que desrespeitem estas regras.

Com tecnologia do Blogger.